sábado, 22 de março de 2014

Israel pode ir à Copa do Mundo se Fifa punir Rússia a pedido dos Estados Unidos e Alemanha

As indefinições envolvendo Ucrânia, RÚssia e comunidade internacional tem trazido incertezas para todos os seguimentos, e o esporte não deixa de ser afetado pelas ameaças de guerra.

O conflito russo-ucraniano levou os chefes de estado dos Estados Unidos e da Alemanha a pressionar a FIFA a tirar os russos da Copa do Mundo no Brasil, se isso ocorrer. Israel seria o país beneficiado com a decisão.

A anexação da criméia pela Rússia, aumentou a tensão na região do conflito, mesmo com as sanções impostas pela UE e os EUA, os russos não recuaram de seus proósitos e ao que parece desafia o Mundo a tentar retaliar suas atitudes.

O fato pode tirar os russos do Mundial do Brasil, como mais uma forma de pressionar Vladimir Putin, com isso Israel, que foi o terceiro classificado do grupo que Portugal disputou, estaria automaticamente classificada para o Mundial. 

O presidente norte-americano Barack Obama e a primeira-ministra Angela Merkel estão pressionando a FIFA a tomar medidas, que serviriam como exemplo, assim  como o afastamento da antiga Iugoslávia da Eurocopa em 1992 (foi chamada a Dinamarca, de última hora, e acabou por surpreender à todos e vencendo o Europeu daquele ano). 

Desde o início do mês a Rússia mantém tropas na Crimeia. O governo regional da provícia chegou a fazer um plebiscito para votar a anexação à Rússia, mas o resultado positivo não é reconhecido pela comunidade internacional, os Estados Unidos e a Alemanha pressionam a FIFA para que a situação política tenha reflexo também no campo esportivo.
Jornal: Israel pode ir à Copa do Mundo se Fifa punir Rússia - Terra Brasil


quinta-feira, 20 de março de 2014

Hideraldo Luiz Bellini, capitão do primeiro título mundial do Brasil, morreu em São Paulo no dia de hoje

Bellini, que eternizou o gesto repetido depois por todos os capitães campeões no futebol, morreu nesta quinta-feira chuvosa em São Paulo, aos 83 anos, após lutar contra o Mal de Alzheimer com a mesma bravura e raça com que atuou 21 anos no futebol brasileiro.

Hideraldo Luiz Bellini, capitão da seleção brasileira, eternizou o gesto de erguer a taça de campeão após a conquista do primeiro título mundial do Brasil. A pequena Jules Rimet, de apenas 30 centímetros de altura e quatro quilos, foi levantada sobre sua cabeça com a mesma determinação em que ele defendeu seus clubes.
Leia mais: Morre Bellini, capitão do primeiro título mundial do Brasil - esportes - futebol - Estadão


segunda-feira, 10 de março de 2014

Sem credibilidade por não cumprir compromissos de campanha partidos e políticos deixam eleitor sem opção em Goiás



     O Governo esta deixando a desejar, prometeu bem mais do que tem capacidade de realizar, enquanto a imprensa fala que apenas 12% dos compromissos de campanha foram cumpridos pelo Governo Marconi Perilo e que talvez outros 48% deixem de ser apenas maquetes, a população sente que a inoperância do estado em várias áreas fez com que até o que funcionava bem antes, deixou ou esta deixando de funcionar a contento, afim de atender o cidadão, a segurança pública é o caso mais flagrante de como a vida da população piorou durante aquele que prometia ser o 'melhor governo da vida dos goianos'.



            As promessas feitas e não cumpridas são parte das muitas decepções que o povo de Goiás vem tendo no campo político nos últimos anos e não só com o atual governo, o Governador pode pleitear uma reeleição, é legítimo e um direito seu, e vai que seu crédito com o eleitor esteja em dia no dia do pleito, ele até pode conquistar o seu quarto mandato, o que convenhamos será dificílimo pelo cenário atual, mas os compromissos assumidos por ocasião da campanha de 2010 precisariam não só de mais quatro anos, e sim de pelo menos mais 16 anos para sair do papel, por que são muito complexas e extensas, por que as contemplações atingiriam várias áreas de atuação do estado, que nos palanques quatro anos atrás foi suficiente para convencer o povo de que era sim possível realizar, bastava apenas ter um pouco de agilidade e vontade política.

            O Governo anterior de Alcides Rodrigues levou a má fama de ser devagar demais por não ter conseguido realizar obras de infraestrutura e de ter levado a CELG a bancarrota, muita gente via naquela ocasião em Marconi Perilo um gestor bem diferente do seu antigo vice e hoje um desafeto, os dois governos anteriores do Tucano embasavam esta credibilidade junto a população, era a imagem de um
governante audacioso e eficiente. Alcides Rodrigues e Jorcelino Braga estão neste momento ao lado de Vanderlan Cardoso e ambos rechaçam a ideia de que o grupo de apoiadores do ex-prefeito de Senador Canedo, venha a abandonar seus projetos próprios para apoiar outro nome na corrida ao Palácio das Esmeraldas.

            Os direitos constitucionais básicos do cidadão não são respeitados pela classe política, e não acontece isso apenas em Goiás não, o país esta mais violento, as escolas caindo aos pedaços, apesar da democratização do ensino superior, e a saúde ainda continua na UTI, mas vem ai mais uma campanha eleitoral, onde os políticos sem noção vão refazer seu itinerário, cumprimentando as pessoas,
beijando as criancinhas, e claro, prometendo tudo de novo, com o viés de que desta vez as coisas serão bem diferentes do que foi outrora.

            Quando digo que os créditos do atual governo podem ser renovados com a população, é por que podem, as eleições já estão chegando e por aqui a oposição não se entende sobre qual caminho vão seguir, nem sabem com quem vão seguir e o pior nem que rumo devem seguir, um verdadeiro balaio de gatos, onde todos tinham um adversário em comum, pois estão colocados do mesmo lado da trincheira eleitoral. Para o espanto de muitos o chamado fogo amigo tem ferido de morte alguns dos líderes oposicionistas, que mesmo sabendo que estão diante de um articulador habilidoso, exímio orador e que tem a máquina do estado trabalhando a seu favor, não se emendam na hora de desconstruir a imagem de um parceiro seu, mas que pode ser um empecilho na hora de definir quem comandará o estado nos próximos quatro anos.

            A esperança de que o simples fato do Governo de Goiás estar em baixa com a sociedade, por não ter cumprido seus compromissos de campanha, vão leva los a ocupar o posto de Governador de uma maneira mais fácil, fez com que a própria oposição se fragmentasse , pois todos se acham no direito de serem apoiados e não de apoiar outro nome com chances reais de vitória em cinco de Outubro. As chances de vitória são imensas mesmo, mas a vaidade de alguns pode impedir que isso se materialize, já que nenhum grupo quer ceder espaço para outro, mesmo que isso custe a perda da eleição.

            A aliança do PMDB com o PT é um imbróglio que foge da compreensão de qualquer um, o próprio PMDB sozinho já é sinônimo de confusão para a mente dos entendidos em política, imagina o trevo que não provoca na cabeça de um leigo. Petistas dizem não ter feito acordos com o partido de Iris e sim com o próprio Iris, se o líder da legenda não foi alçado a condição de candidato, o PT entende que não tem obrigação de apoiar o PMDB, já que o seu compromisso é com Iris Rezende.

            Iris Rezende que nunca disse que seria ou não candidato, e mesmo assim já viu jovens promissores do partido baterem asas rumo a base marconista, justamente por que acreditam que o Irismo não vai abrir espaços para que outros lideres possam tomar decisões e assumir as responsabilidades que sempre passaram por Iris Rezende. Francisco Júnior e Thiago Peixoto trocaram a condição de estrelas em ascendência dentro do PMDB para ser apenas mais dois nomes a disposição do PSD a serviço de Marconi Perilo, Júnior do Friboi só consegue se manter vivo nas fileiras do partido, desafiando o carisma de Iris e se auto proclamando candidato por que tem a “bala”.

            O vil metal que dispõe José Batista Júnior faz com que lideranças de vários partidos, não só do PMDB, mantenham a esperança de que ele tenha seu nome viabilizado e homologado como candidato na convenção que acontece em Junho. Cristão novo na política e no partido, Friboi pode não ser visto como o homem que vai destronar o “Rei”, mas é de longe o preferido de nove entre dez integrantes da oposição que enxergam nele um caixa forte, que se não ganhar a eleição será pela falta de experiência e carisma, mas que possui pelo menos um elemento fundamental para pleitear uma candidatura. O dinheiro.

            Pela alta rejeição do Governador, muita gente viu ai a chance de conquistar a vitória, se tornando o inquilino da Casa Verde, e também enxergou no momento a oportunidade ímpar de encabeçar a chapa majoritária, com ou sem Iris o PMDB vai ter candidato, talvez sem a participação do PT, que cresceu os olhos sobre a possibilidade real de vitória, se rebelou contra a condição de apêndice e mesmo que a conquista não aconteça, o lançamento de uma candidatura própria atenderia os anseios de seus líderes que vislumbram ai a possibilidade de atingir objetivos pessoais ou apenas da sigla. Se levar adiante a candidatura de Gomide, o que parece irreversível e já é dada como certa, o PT pode conseguir eleger pelo menos dois Deputados Federais e quem sabe aumentar sua participação
na Assembleia Legislativa, que hoje conta com três Deputados estaduais.

            Isso se as coisas saírem da forma como estão imaginando, se algo sair fora do prumo o tiro pode sair pela culatra e provocar estragos irreparáveis na legenda, sim além de romper um acordo com o PMDB, o PT pode estar colocando em jogo a reeleição da Presidenta Dilma Rousseff e o dependendo do número de votos alcançados pode não fazer dois Deputados Federais e ainda ter a sua participação na assembleia diminuída ao invés de aumentada. As cartas vão sendo colocadas na mesa e os jogadores vão tomando suas posições, ninguém ganha uma eleição de véspera, mas não perde também, em Goiás hoje não existe um nome absoluto, um favorito incontestável e muito menos alguém que conte com a
confiança total do eleitor, que esta com o pé atrás com a classe política e a cada lance dos nossos representantes em cargos eletivos, o povo passa a acreditar cada vez menos.

            Antônio Gomide é vendido pelo PT como o 'novo' com competência comprovada pela boa gestão em Anápolis, não temos como entrar no mérito da questão já que há muitos anos que nem passo em Anápolis e não conheço o trabalho de Gomide, mas temos que ser práticos em apontar por que isso não tem como dar certo. Gomide é do PT e Paulo Garcia, o Prefeito de Goiânia, também é, muitos militantes do partido dos trabalhadores no seu trabalho de convencimento dizem que a competência deum não tem nada a ver com a incompetência do outro, subestimam a inteligência do eleitor ao tentar desvincular a má gestão de Paulo Garcia do PT, frisando apenas o bom trabalho realizado em Anápolis como sendo obra e graça do Partido dos Trabalhadores.

            Não é preciso ir longe para mostrar a população a total ligação do competente gestor com as tragédias que vem ocorrendo na capital do estado, para isso é só observar quem eram os apoiadores que conduziram Paulo Garcia a Prefeitura de Goiânia e agora parecem querer evitar a ligação com ele, e quem são os que bajulam o Prefeito de Anápolis e vende a ideia de que tudo será completamente diferente. Hum ano e pouco se passou desde a última eleição, o PT que alcançou a vitória na capital pregou o nicho da sustentabilidade e hoje nem recolhe o lixo das ruas regularmente.

            A sustentabilidade de outrora pode não ter sido bem esclarecida, pois hoje cada um precisa dar fim ao seu lixo, já que a prefeitura não faz o papel dela, as ruas estão ficando sem iluminação, por que a prefeitura não faz a reposição, com isso as pessoas estão tendo que reaprender a andar no escuro, a ameaça de uma epidemia de dengue é para lá de real, já que com tanto lixo por ai, o mosquito deve tá adorando essa sustentabilidade. As falácias por que passa Goiânia são desalentadoras para o cidadão de bem, que acreditou nas promessas de Paulo Garcia e que foram endossadas pelos membros do PT, os mesmos membros que hoje querem convencer a população que o candidato e o projeto do partido são os melhores para Goiás... Vai vendo no que isso vai dar.

            O problema a ser discutido não é a competência de A ou B e sim quem são os chupins que o acompanham, ajudam a prometer e depois a população é que se vire com o ônus de uma péssima escolha, serão longos quatro anos para pensar na besteira que pode ser evitada se prestar atenção em detalhes simples e fáceis de lidar. Ora os goianienses caíram nesta latada por que não leram a bula, o grupo que chegou ao poder é o mesmo que apoiava Pedro Wilson, até então o pior Prefeito da história de Goiânia, devidamente superado pelo seu colega, Paulo Garcia, que esta conseguindo se sobressair e já supera de longe a inércia de Pedro.

Ao lado dos dois piores Prefeitos da história da capital estavam, Rubens Otoni, Kátia Maria, Marina, Mauro Rubem, Luís César Bueno, Osmar Magalhães, Humberto Aidar entre outros. Ao lado de Antônio Gomide estão os mesmos, vendo a ideia de que este é competente e que tudo será diferente... Isso não tem como ter um final feliz, simplesmente por que os personagens são os mesmos, com a mesma filosofia de trabalho e que é executada pelas mesmas figurinhas... Vai vendo no que isso vai dar!

            No apagar das luzes das definições pode ser que surja um nome que respalde os anseios da sociedade e que venha suprir a falta que um líder austero tem feito na vida de quem mora aqui, não adianta estar bem na foto da propaganda se ao andar pelas ruas você corre os riscos diante de tanta violência, não tem nada haver você saber que tem o direito de ir e vir, mas que os gestores públicos não oferecem um transporte de qualidade, acreditar em promessas como as que outro dia contemplavam sustentabilidade ou em milagres de uma mudança repentina, vai de cada um, mas não temos como fugir disso, apenas é necessário observar quais foram as promessas de ontem, se foram de fato cumpridas, e o principal quem foi que fez.

            Em suma, o eleitor goiano neste momento não tem um candidato à altura de suas necessidades e não tem diante de si nenhum que atenda os seus anseios, que de fato represente mudança e traga um alento para uma população que tem sofrido horrores com a ineficiência da máquina publica e a incompetência dos nossos gestores e seus apoiadores.

Bancada do PMDB da Câmara desiste de ministérios - TV iG

sábado, 8 de março de 2014

Por quê não compensa ir as manifestações? Serviço de inteligência identifica grupos que são ameaças à Copa

A melhor maneira de expressar o seu descontentamento com alguma coisa é diante da urna, ir para as ruas pode ser um risco, ainda mais durante o evento da Fifa em que o Governo aposta tudo e garante ao mundo que tudo vai dar certo. 

O Governo vai investir R$ 2 bilhões em segurança e colocará 100.000 homens em ação para garantir que tudo ocorra bem, e quem for pego bagunçando ou vandalizando pode pagar o pato pela desordem estabelecida no Brasil durante o evento.

Tá certo que os políticos andam te sacaneando todo dia, mas tentar vandalizar e estragar a organização da Copa do Mundo não vai somar nada na vida de ninguém, este ano tem eleição e ai sim você pode mostrar o seu descontentamento deixando de votar em quem você acha que só esta na mamata.

Com base nos dados que receberão das equipes de campo, traçarão as estratégias para solucionar as eventuais crises de manifestações de rua, ameaças de bomba ou confronto de gangues de torcidas uniformizadas.


A segurança da Copa envolverá 100. 000 homens, entre policiais, agentes federais e militares das Forças Armadas, e contará com helicópteros, aviões, viaturas e drones. A central de operações montada em Brasília será a ponta da cadeia de comando e vai operar 24 horas por dia em conexão com bases similares em funcionamento em todas as cidades-sede.

Responsável por garantir que tudo transcorra na mais perfeita tranquilidade, o governo federal assegura que nada atrapalhará ou impedirá o Brasil de fazer a “Copa das Copas”, como repete a presidente Dilma Rousseff toda vez que se refere ao evento. 

O otimismo oficial, porém, é relativo. Faltando menos de 100 dias para o jogo inaugural, documentos oficiais mostram que o investimento de quase 2 bilhões de reais no esquema de segurança não é excesso de cuidado.
Leia mais: Serviço de inteligência identifica seis grupos que são ameaças à Copa - Brasil - Notícia - VEJA.com

Revista francesa esculacha Copa no Brasil e tece criticas duras a Fifa pela escolha

Veículo de imprensa revela que Mundial tem todos os ingredientes "para se tornar uma zona", ao que parece, a França não está acreditando na competência brasileira, no que diz respeito aos preparativos para a Copa do Mundo de 2014.

Após uma falsa matéria criticando o Mundial, atribuída a um importante veículo francês, ter circulado pela internet, agora uma reportagem real é para lá de incisiva nas críticas com relação a Copa.

O site da revista francesa So Foot, publicou nesta semana uma matéria intitulada: Vive Le Bordel Brésilien! (Viva a zona brasileira - em tradução livre). A palavra bordel, também utilizada em português, é empregada em francês para designar tanto uma casa de prostituição, quanto para dar significado de algo confuso ou bagunçado.

O texto do site francês apresenta uma divisão das cidades-sede da Copa em em três grupos: as que realmente deveriam estar sediando a Copa, as em que "inevitavelmente o Mundial será uma bagunça" e aquelas onde "o melhor mesmo é ver os jogos pela televisão"

No primeiro time: Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza e Porto Alegre. Nessas cidades, a revista identifica problemas menores, que não teriam grande impacto para a realização do torneio, como a falta de conexão com a internet e problemas no telão do estádio Beira-Rio.

Já para o segundo grupo, que inclui Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, Recife e Natal as críticas são severas, principalmente no que diz respeito a mobilidade urbana e a capacidade de receber turistas. São Paulo, por exemplo, é descrita como "cidade irmã da Cidade do México e prima do Cairo, centros urbanos conhecidos mundialmente pelo trânsito caótico". Já o Aeroporto do Galeão, no Rio, aparece como "indigno de uma capital turística: com edifícios degradados, pistas saturadas em alta estação e paralisação em atividades em cada chuva forte, promete grandes doses de diversão [durante a Copa]".

Por fim, no terceiro grupo, estão as cidades de Cuiabá, Manaus e Curitiba. A capital do Paraná é descrita como "grande emoção pré-Mundial", referindo-se a dúvida sobre o estádio estar ou não pronto a tempo da Copa. Já para a capital do Mato Grosso, o aeroporto é descrito como 'um campo de barro. Apesar de ser do tamanho de uma cozinha, há um lindo papagaio pintado na parede. Nenhuma grande nação vai jogar em Cuiabá. Depois dizem que o sorteio é aleatório".

Além de "descer a lenha", na infraestrutura das 12 cidades-sede brasileiras, a matéria também critica duramente a Fifa e seu presidente, Joseph Blatter, pela escolha do Brasil como sede da competição: "Blatter se mostra chocado: 'Nenhum país teve tanto tempo para se preparar quanto o Brasil', e ele tem razão. Errado ele estava em 2007 [quando o Brasil foi escolhido como sede], ao impor ao país um "padrão" que estava distante demais de sua realidade, e que culturalmente não sabe dizer não. 

Mas sabe dizer, quando já tarde demais, "desculpe, mas temos que fazer alguns arranjos".
Leia mais: Sem papas na língua, revista francesa esculacha Copa no Brasil - Esportes - R7 Futebol

quarta-feira, 5 de março de 2014

Fernandinho faz golaço, aproveita chance, e Brasil goleia a África do Sul com três de Neymar

Fernandinho mostrou que 90 minutos foram mais do que suficientes para entrar de cabeça na disputa por uma das vagas na Seleção Brasileira para a Copa do Mundo. O volante, assim como Rafinha, recebeu a chance no amistoso desta quarta-feira, contra a África do Sul - o último jogo antes da convocação final para o Mundial -, e, com uma pintura de gol, aproveitou a oportunidade. O Brasil, assim como Fernandinho, jogou fácil e goleou por 5 a 0. Destaque também para Neymar, que balançou as redes três vezes no Soccer City, em Johanesburgo. Oscar também deixou o dele, completando a lista de artilheiros do amistoso.

Agora, quem ainda quiser uma das valiosas vaga na Seleção Brasileira da Copa-2014 precisará mostrar serviço exclusivamente no clube, porque o Brasil só volta a campo nos amistosos às vésperas do Mundial, nos dias 3 e 6 de junho (contra Panamá e Sérvia), com os 23 já convocados.

JOGO FÁCIL

O Brasil não demorou muito para mostrar a eficiência no ataque. Eram 10 minutos quando Hulk, com um primor de passe feito quase da linha do meio-campo, deixou Oscar na cara do gol. O meia esbanjou categoria ao tocar por cima do goleiro. Oscar foi o principal nome da Seleção na etapa inicial (ele saiu no intervalo). Além do gol, ele exibiu vasto repertório, com passes precisos e até auxílio na marcação.

Em relação aos jogadores colocados à prova, tanto Rafinha quanto Fernandinho não foram muito exigidos na primeira etapa. O time sul-africano mostrou-se muito deficiente e não demandou muito trabalho ao lateral-direito e ao volante, que tiveram atuação um tanto quanto burocrática.

Os Bafana Bafana não conseguiram se ajeitar na marcação. O resultado? Novo buraco na zaga e espaço justamente para Neymar. Aí não teve discussão: 2 a 0 Brasil, depois de um chute que passou entre as pernas do goleiro.

Para o segundo tempo, o Brasil voltou diferente: com a camisa azul. E a equipe só precisou de 21 segundos para fazer o terceiro, novamente com Neymar, fazendo belo gol de cobertura - Fred foi o garçom.

GOLAÇO E GOLEADA

Voltando aos testes, Felipão cumpriu a promessa de deixar Rafinha e Fernandinho em campo durante os 90 minutos. O treinador resolveu dar mais liberdade ao volante, colocando Luiz Gustavo para começar o segundo tempo.

Rafinha não conseguiu produzir muito. E a chance também vinha sendo sem valor para Fernandinho, porque o ritmo do jogo caiu, ainda mais com o recuo dos sul-africanos. Mas o jogador tomou a iniciativa e, com um golaço num chute de muito longe, deixou todo mundo de boca aberta.

O quarto gol brasileiro fez Felipão dar uma risadinha marota no banco de reservas, como quem estava lisonjeado por receber um presentaço para "tirar onda" na Copa. Neymar ainda marcou o quinto - o terceiro dele -, já aos 45 minutos. Agora a bola está com o treinador, que no dia 7 de maio acabará com o mistério e divulgará a lista para a Copa.

ÁFRICA DO SUL 0 X 5 BRASIL

Local: Soccer City, em Johanesburgo (AFS)

Data/Hora: 5/3/2014, às 14h (de Brasília)

Árbitro: Antonio Caxala (ANG)

Auxiliares: Jerson dos Santos e Julio Gonçalves da Silva Lemos (ANG)

Gols: Oscar, 10'/1ºT (0-1); Neymar, 40'1ºT (0-2) e 1'/2ºT (0-3); Fernandinho, 33'/2ºT (0-4), Neymar, 45'/2ºT (0-5)

Cartão amarelo: Ramires (BRA)

ÁFRICA DO SUL: Williams, Ncongca, Matlaba, Khumalo (Xulo, 19'/2ºT) e Nthethe; Furman, Jali (Zungu, 9'/2T), Serero e Claasen (Ndlovu, 6'/2ºT); Parker (Patosi, 17'/2ºT) e Rantie (Manyisa, intervalo). Técnico: Gordon Igesund

BRASIL: Julio Cesar; Rafinha, David Luiz (Dante, 19'/2ºT), Thiago Silva e Marcelo (Daniel Alves, 12'/2ºT); Fernandinho, Paulinho (Luiz Gustavo, intervalo), Hulk (Willian, intervalo) e Oscar (Ramires, intervalo); Neymar e Fred (Jô, 16'/2ºT). Técnico: Luiz Felipe Scolari
Leia mais: Fernandinho faz golaço, aproveita chance, e Brasil goleia a África do Sul - Terra Brasil

Enquanto o governo brasileiro fa em 'Copa das Copas' jornais europeus citam preocupação da Fifa com "pior Copa"

Para o Governo brasileiro será a Copa das Copas, a Fifa pensa diferente   
Imprensa europeia destaca preocupação da Fifa com o que classificou de pior Copa do Mundo de todos os tempos se contra pondo ao slogan criado pelo governo brasileiro.
Faltando 100 dias para a Copa do mundo no Brasil, o jornal britânico "The Times"publicou uma entrevista com o secretário-geral da Fifa Jérôme Valke, onde diversos pontos são tratados com preocupação para a organização do evento de junho.

Os atrasos nos estádios e a infraestrutura para receber equipes de transmissão do evento foram muito relatadas por Valcke.
A Fifa sempre tem a preocupação de que as equipes de transmissão e espaços da imprensa estejam em ótimas condições, já que que são esses veículos de comunicação que divulgam o evento e o tornam tão grandioso.

Confira algumas partes da entrevista com o francês:

- Estamos trabalhando em condições em que o cimento não está sequer seco. E ainda temos de instalar todas os equipamentos para a mídia.

- Sem equipamentos para a mídia e sem as telecomunicações nos devidos lugares nos estádios, vocês vão dizer que nós somos os piores organizadores e que este foi o pior evento. Mas, para instalar o equipamento em um estádio, precisa-se de, no mínimo, 90 dias.

- Estamos a quase 100 dias para que o primeiro jogo comece em um estádio em São Paulo, que não estará pronto até 15 de maio. Isto não tem sido fácil, é claro. Sempre que você recebe algo com atraso, se torna um desafio deixá-lo pronto a tempo.

O jornal também destaca como negativo a falta de apoio ao evento por parte dos brasileiros e as prometidas manifestações durante o mundial, assim como ocorreu durante a Copa das Confederações em 2013.
Uma outra citação do "The Times" cita a distância que os turistas torcedores (cerca de 3,6 milhões) que estão vindo para o Brasil,  terão de enfrentar "desde a Floresta Amazônica até a dominada pelo crime São Paulo".

O Mundo Deportivo colocou Curitiba, uma das sedes que se cogitou tirar do Mundial pelos atrasos, como a maior dor de cabeça para a Fifa da Copa do Mundo no Brasil. O jornal também trouxe reclamação do secretário Jérôme Valcke sobre o prazo apertado para realizar instalações para a imprensa e chamou atenção para a "jornada de protestos populares originados pelos que criticam os gastos milionários destinados às obras".

O diário destaca a "contradição" entre o discurso otimista do presidente da Fifa, Joseph Blatter, e do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, com a real situação da organização para a próxima Copa do Mundo. Mas, além dos pontos negativos, o veículo catalão também traz o recorde positivo desta administração: a venda de ingressos para mais de três milhões de pessoas para jogos do torneio.
Leia mais: Jornais europeus citam preocupação da Fifa com "pior Copa" - Terra Brasil

terça-feira, 4 de março de 2014

Fora da "festa", Goiânia sempre aceita prêmios de consolação oferecidos pela CBF

Matéria feita pelo ótimo repórter João paulo Di Medeiros para o site Terra.
Depois que a Fifa anunciou a lista das 12 cidades que seriam sedes dos jogos da Copa do Mundo de 2014 sem a presença de Goiânia, ainda em 2009, houve muita expectativa sobre a participação da cidade de alguma forma no evento. No fim do último mês, a entidade divulgou os locais para treinamentos escolhidos pelas 32 seleções e Goiânia estava novamente fora. Sobraram para a capital goiana os "prêmios de consolação" recebidos durante os últimos anos.

Após a Copa do Mundo disputada na África do Sul, a Seleção Brasileira fez dez jogos amistosos em solo brasileiro (incluindo o Superclássico das Américas), sendo que apenas São Paulo e Goiânia receberam dois jogos cada uma. As duas cidades voltarão a receber partidas do Brasil na reta final de preparação para a Copa do Mundo.

Durante o período entre o fim da última Copa e o início da edição de 2014, Goiânia foi figura carimbada na vida da Seleção. A cidade recebeu a equipe nacional em três anos consecutivos e em caso de oficialização do amistoso contra o Panamá, agendado para o dia 3 de junho, no Serra Dourada, receberá pelo quarto seguido.

Amistoso contra a Holanda em 2011, uma partida do Superclássico das Américas em 2012, período de treinos na véspera da Copa das Confederações no ano passado e agora a expectativa para um dos últimos amistosos antes da estreia na Copa do Mundo. Em junho do ano passado, na inauguração da reforma do Estádio da Serrinha, do Goiás, que abrigou a Seleção Brasileira, o governador Marconi Perillo (PSDB) disse que essas "conquistas" eram fruto do prestígio de seu governo e da Federação Goiana de Futebol, na figura do presidente André Pitta, com a cúpula da CBF.

"Era senador na época, procurei muitas vezes a CBF, mas infelizmente eu não podia fazer muita coisa. Mas desde então houve o compromisso de que Goiás seria prestigiado com outros eventos que pudessem significar o apreço da CBF com Goiás e os goianos. Desde então conseguimos trazer a seleção holandesa, depois o senhor (José Maria Marin) trouxe a seleção argentina e fez um compromisso com o André (Pitta) e comigo de trazer para treinar aqui a Seleção Brasileira", comentou na época Marconi Perillo.

Através de um programa de incentivo ao esporte, inclusive com alteração na lei para aumentar o aporte financeiro, o governo liberou uma verba de R$ 2,5 milhões para ajudar o Goiás na reforma do estádio para receber a seleção. O esforço tinha uma intenção, Perillo pediu a Marin que a seleção voltasse para treinar em Goiânia antes da Copa do Mundo. "Peço finalmente que o senhor não se esqueça desse CT e da nossa cidade durante a Copa do Mundo do ano que vem, nós estamos preparados para receber a Seleção Brasileira", disse no ato da inauguração.

No comando da FGF desde 2007, o presidente André Pitta tem bom trânsito dentro da CBF. O dirigente acredita que esse é um dos fatores principais para a presença constante da Seleção Brasileira na cidade nos últimos anos. Outra questão apontada por Pitta é que não fazia sentido que o Brasil jogasse nas cidades sedes, pois elas receberiam jogos e também tinham seus estádios em obras.

"O bom relacionamento que temos na CBF é primordial, o que representa o futebol do estado Goiás no cenário nacional, digo pela forma que é conduzida o futebol no estado, e também como nós estamos fora da Copa do Mundo não há motivo para que ela fique jogando dentro das sedes", frisou.

André Pitta acredita que o único legado que Goiânia deixa de ganhar com a ausência na Copa é a questão da modernização do Serra Dourada. O dirigente revelou que ainda não enxerga benefícios gerados com a presença da Copa no futebol de algumas cidades sedes. "O futebol goiano a princípio não perdeu nada, até porque não estamos vendo nesse outros estados, a não ser em relação aos estádios, qual o benefício o futebol desses estados está tendo", salientou.

Ainda em 2011, o anúncio por parte do então presidente da CBF Ricardo Teixeira que Goiânia era uma das sedes na Copa América que seria realizada no Brasil soou como prêmio de consolação. No entanto, a Copa América de 2015 não será mais em solo brasileiro - foi transferida para o Chile -, e Ricardo Teixeira não é mais o dirigente máximo da CBF. André Pitta acredita que a escolha na época é mais uma prova de que Goiás tem prestígio com a CBF. O dirigente goiano ainda crê que Goiânia estará na Copa América a ser realizada no Brasil, mas disse que terá de conquistar o direito novamente.

"Acho que sim, até porque acreditamos que quando for o momento de ter a Copa América no Brasil Goiânia estará inserida nela. A promessa foi para aquele momento, agora é outra história e vamos ter que buscar tudo outra vez. Até porque quem fez a promessa foi o Ricardo Teixeira e ele não está mais", ponderou Pitta.
Leia mais: Fora da "festa", Goiânia aceita prêmios de consolação da CBF - Terra Brasil

sábado, 1 de março de 2014

Em tom pessimista novas criticas da Fifa dão à entender que "Copa das Copas" já é um fiasco para a entidade

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, afirmou neste sábado, em Zurique (Suíça), que a Fifa terá que encarar um "grande desafio" por causa dos atrasos do Brasil nas obras para a Copa do Mundo de 2014. E dois anos depois de uma de suas frases mais famosas, o dirigente francês desconversou quando perguntado se o País precisava de outro "chute no traseiro".

"Me pergunte quando a Copa do Mundo acabar", respondeu ele. "Já tivemos que colocar as coisas no lugar e será um trabalho extremamente de última hora, mas vai funcionar no fim. Vai funcionar, teremos o que esperávamos e os times vão ter o melhor. Mas é um desafio para os organizadores. Temos que achar as soluções".

Em 2012, Valcke causou grande mal-estar entre autoridades brasileiras ao afirmar que o Brasil precisava de um "chute no traseiro" para agilizar as obras de estádios e infraestrutura da Copa do Mundo. O francês foi criticado por políticos e dirigentes e chegou a pedir desculpas pela frase.

Valcke disse ainda que "os estádios são bonitos (...) mas estamos trabalhando em algumas condições em que o cimento nem secou. Ainda temos que instalar toda a estrutura para a imprensa. Sem isso e sem as telecomunicações em seu lugar nos estádios, vocês dirão que somos os piores organizadores e que a Copa é o pior evento".

O dirigente atendeu os jornalistas no encontro anual da International Board, órgão que discute e oficializa as regras do futebol. "Não sou um especialista em Copa do Mundo, mas posso falar que essa certamente não foi fácil. Estamos quase a 100 dias do primeiro jogo, que será em um estádio de São Paulo que não está pronto e não ficará pronto até 15 de maio", criticou, citando ainda os "atrasos ainda maiores" de Curitiba e Manaus.
Leia mais: Valcke: Brasil pode merecer novo "chute no traseiro" após Copa - Terra Brasil

Seguidores

Pesquisar este blog